Mumia é inocente. Foi incriminado. Já basta com 35 anos na prisão!

Em 24 de abril, o aniversário de Mumia, haverá uma audiência sobre sua petição de Apelação de Remédio Post-Condenação (PCRA) no tribunal estatal da Pensilvânia. O propósito é derrogar todas as decisões da Suprema Corte estatal desde 1995 até 2008, as quais lhe negaram liberdade apesar de evidência que demonstra que a polícia e a promotoria da Filadélfia fabricaram as “provas” de sua culpabilidade e suprimiram a evidência de sua inocência.

Esta impugnação jurídica se baseia na recente decisão da Suprema Corte federal dos Estados Unidos no caso Williams vs Pensilvânia, a qual estabelece que o juiz em uma apelação não pode participar em um caso no qual ele anteriormente tinha um papel pessoal em uma importante decisão processual.

Ronald Castille era o Promotor da cidade da Filadélfia responsável por opor-se em 1989 à apelação de Mumia de sua condenação de culpabilidade e sua sentença de morte (de 1982). Depois de ser eleito como juiz da Suprema Corte da Pensilvânia em 1994, Castille falhou contra Mumia em todos os casos que criticaram as ações da Promotoria da Filadélfia que ele encabeçou.

Em sua campanha para ser eleito como juiz da Suprema Corte estatal da Pensilvânia, Castille alardeou de que 45 homens, incluindo a Mumia, foram sentenciados a morte por sua Promotoria e que sua campanha foi financiada pela Ordem Fraternal da Polícia (FOP), a qual o nomeou “Homem do Ano”.

Chamamos à libertação imediata de Mumia Abu-Jamal da prisão!

> Em anexo (imagem) folheto com texto enviado pela Campanha Para Levar Mumia Para Casa (Campaign to Bring Mumia Home).

Fonte: https://amigosdemumiamx.wordpress.com/2017/04/06/filadelfia-por-la-libertad-de-mumia-abu-jamal-llaman-a-llenar-el-tribunal-y-las-calles-el-24-de-abril/

Tradução > Sol de Abril

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2017/04/06/eua-urgente-boletim-de-imprensa-sobre-mumia-abu-jamal/

agência de notícias anarquistas-ana

Sopra o vento
Segura-te borboleta!
Na pétala da flor.

Rodrigo de Almeida Siqueira