Indígenas Notícias e artigos

LUTAS INDÍGENAS no canada KANEHSATÀ: KE / OKA CRISIS – verão 1990

No início de 1990, o município de Oka (sul de Quebec) tentou expandir seu campo de golfe e abrir uma nova área residencial. O município decide estabelecer seus projetos em território Mohawk não cedido, mais precisamente em terras pertencentes à comunidade Mohawk de Kanehsatà: ke (cuja reserva faz fronteira com a cidade de Oka). A cidade de Oka não consulta os Mohawks e tem a ideia de implementar seus projetos de forma unilateral. O facto de o campo de golfe se estender por um cemitério tradicional Mohawk, parte da última floresta remanescente na área (o pinhal) e um campo de lacrosse comunitário não é levado em consideração pela cidade. Os métodos empregados pela cidade de Oka fazem parte dos métodos coloniais empregados pelos brancos. hes roubar os territórios da América do Norte por 500 anos; é uma nova etapa no desmembramento das terras mohawk.

Em troca, os Mohawks fazem como sempre fizeram e organizam resistência a este novo ataque colonial (como por exemplo em Akwesasne em 1969). Assim que o projeto foi anunciado na primavera e verão de 1989, manifestações contra ele ocorreram. Na primavera de 1990, o impasse de longo prazo continuou entre os Mohawks, que queriam preservar as poucas terras que lhes restavam, e a cidade de Oka, que queriam se apropriar dela para seu próprio desenvolvimento.

Em março de 1990, uma barricada simbólica foi erguida pelos Mohawks para bloquear o acesso à floresta de pinheiros. A tensão aumenta à medida que o município pretende avançar, mesmo que isso signifique desalojar os Mohawks à força para permitir o início das obras. As liminares foram emitidas enquanto os Mohawks fortaleciam suas posições e eram apoiados por ativistas de Kahnawake e Akwesasne (duas outras comunidades Mohawk no sul de Quebec). Diante dessa situação, o município de Oka apelou à Sûreté du Québec (SQ) para desalojar os Mohakws. Na manhã de 11 de julho de 1990, o SQ começou sua intervenção tática – mas a situação agravou-se à medida que os Mohawks resistiam. Tiros são trocados e um agente SQ morre no local.Guerreiros Mohawk de Kanehsatà: ke, Kahnawake e Akwesasne. Este confronto ficará para a história com o nome de “Oka Crisis”.

“Minhas memórias deste verão em Kanehsatake são muito diferentes das histórias contadas pela mídia. Sua atenção estava voltada para as barricadas. Para a maioria deles, era apenas uma história policial; a polícia e os soldados estavam lá para ‘restaurar a ordem pública’, para colocar as coisas de volta onde estavam. Mas a maioria das pessoas por trás das barricadas eram minha família, amigos, parentes. E eles não queriam que as coisas voltassem a ser como eram. Eles sabiam que isso significaria uma lenta descida por uma rua de mão única para um esquecimento chamado assimilação . “

Prefácio de Dan David , People of the Pines , página 12

Quando na manhã de 11 de julho, o SQ ataca as barricadas (e é empurrado para trás), a palavra vai para Kahnawake e uma ocupação da Ponte Mercier ocorre em solidariedade aos Mohawks de Kanehsatà: ke. Essa ocupação exerce muita pressão sobre o governo, já que a ponte Mercier permite que os habitantes do South Shore (via reserva Kahnawake) acessem a cidade de Montreal e constitui uma ligação rodoviária vital para o tráfego. de bens e trabalhadores. Depois de três horas, todas as estradas e rodovias que cruzam o território de Kahnawake estão fechadas, barricadas são instaladas e todos os veículos perdidos são expulsos. A ocupação de Pont Mercier foi bem-sucedida.

julho de 1990: os moicanos caminham na ponte mercier, que conecta montreal a kahnawake, horas. os moicanos Kahnawake bloquearam a ponte assim que souberam da operação policial em seu

Falando da derrota do SQ durante o ataque de 11 de julho e a ocupação da Ponte Mercier, um alto funcionário do governo de Bourassa na época lembra: “Foi uma insurreição armada … Não sabíamos o que seria o próximo passo. Nossa polícia havia sido derrotada e tudo o que ouvimos foram moicanos andando por aí com armas. Achamos que essa poderia ser a nossa versão do inferno: a cidade fechada, a polícia em retirada e os Mohawks em cima dos carros da polícia com seus AK-47s sobre suas cabeças. ( One Nation Under the Gun , página 205). Como o que diabos dos brancos é talvez o questionamento de seus privilégios mal obtidos …

Humilhado, o SQ acaba declarando “estado de sítio”. Por mais de duas semanas, ela se recusou a deixar qualquer provisão ou remédio passar pelos insurgentes. Negando qualquer legitimidade às reivindicações Mohawk, o governo federal chega a proibir qualquer presença de observadores internacionais nas instalações da ocupação. Durante esse tempo, soldados do Royal 22e Régiment são secretamente enviados para Oka e arredores de Kahnawake. Para aliviar o estado de sítio, cujos efeitos começam a ser sentidos, a Associação de Mulheres Nativas de Quebec está instalando um depósito de alimentos; alimentos e itens são coletados para ajudar a resistência. Mohawks também recebem ajuda direta de Warriors mi’kmaq que são transportados para as barricadas.

Durante a ocupação, os Guerreiros usam sua engenhosidade para semear confusão e medo entre os policiais e soldados, que são muito mais numerosos e mais bem armados do que eles. Eles produzem muitos engodos, tendas e várias fogueiras que fazem com que pareça pessoal supranumerário, obscurecem a visão dos militares com lonas enormes, constroem morteiros de papelão falsos, etc.

30 de julho de 1990: os moicanos Kahnawake ficam de olho nos residentes de Châteauguay, que estão se reunindo nas proximidades para expressar sua insatisfação com a situação em Kanesatake.

Os Mohawks têm uma lista de reivindicações, que inclui: título das terras em disputa, retirada da polícia de todas as terras Mohawk (incluindo Kahnawake, Akwesasne e Ganienkeh no estado de Nova York), um período 48 horas de livre circulação dentro e ao redor de Kahnawake e Kanehsatà: ke e o encaminhamento de todas as disputas decorrentes do conflito para a Corte Internacional de Justiça em Haia. Os Mohawks também têm três pré-condições para qualquer negociação futura: obter acesso gratuito a alimentos, acesso desimpedido às mães do clã e conselheiros espirituais e o destacamento de observadores internacionais de direitos humanos para os arredores de Kanehsatà. : ke. Os governos federal e provincial rejeitam essas solicitações: eles recusam qualquer reconhecimento da soberania Mohawk e exigem o levantamento imediato das barricadas e o desarmamento antes de qualquer negociação (em outras palavras, eles exigem o abandono total de seus principais meios de pressão pelos Mohawks). Após algumas semanas, o SQ é substituído pelo Exército sob oLei de Medidas de Guerra . Para “conter a revolta” e impedir o transporte de alimentos para a ocupação sitiada, o Exército canadense desdobra todo o seu arsenal: tanques, helicópteros, equipamentos navais, atiradores …

A luta gera movimentos de solidariedade, bloqueios e sabotagem em todo o Canadá, especialmente na chamada Colúmbia Britânica, onde o governo provincial está tão relutante quanto Quebec em reconhecer qualquer forma de soberania indígena. A Província Ocidental também se encontrará com uma luta semelhante em suas mãos em 1995, quando o Secwepemc enfrentará a RCMP no Lago Gustafsen.. Mas a crise de Oka também revela a extensão do racismo e do ódio contra os mohawks dos residentes brancos de Oka ou Châteauguay – e dos quebequenses em geral. Durante a Depressão, ocorreram manifestações monstruosas contra os nativos, que podem reunir mais de 8.000 pessoas. A multidão rebelde exigiu a intervenção imediata do Exército para esmagar a resistência Mohawk. Efígies de Guerreirossão enforcados e depois queimados. Quando no final de agosto, os residentes (principalmente crianças e idosos) de Kahnawake começaram a evacuar, uma multidão de mais de 500 brancos atirou pedras nos veículos Mohawk, quebrando as janelas dos carros e ferindo vários pessoas, incluindo Joe Armstrong (71), um ancião que morreu uma semana depois de um ataque cardíaco após ser atingido por uma pedra no peito.

1º de setembro de 1990: um guerreiro moicano sentado em um carrinho de golfe e usa binóculos para ver os veículos blindados do exército canadense se aproximando na rodovia 344 na reserva kanesatake em oka, que.tom h

A partir de setembro, a situação piora para os Warriors . Devido à pressão militar, a ponte Mercier é reaberta. Quanto aos guerreirosde Kanehsatà: ke, eles estão cada vez mais isolados e sofrem de fome e frio. Eles são perseguidos dia e noite pelos soldados e o território que ocupam é constantemente reduzido pelos soldados que avançam. Em 26 de setembro, cerca de cinquenta pessoas ainda lutando optaram por deixar as barricadas. É voluntariamente e com a cabeça erguida que ele deixa seu último refúgio. Se não conseguiram derrotar o Exército canadense, divulgaram sua causa em todo o planeta, provocaram uma Comissão Nacional de Inquérito sobre Direitos Indígenas e derrotaram o Município de Oka, que não vai em frente com seus projetos. Acima de tudo, eles lançaram uma nova forma de luta indígena amarga que fez parte do ressurgimento político indígena da década de 1990.

Essa luta também trouxe mulheres guerreiras Mohawk e deu voz (geralmente esmagada pelo colonialismo) às mulheres indígenas. A porta-voz dos Guerreiros durante todo o conflito será Ellen Gabriel, a líder política de seu povo. A grande ativista Kahn-Tineta Horn participará de todo o conflito, documentará, acompanhará os julgamentos e escreverá um livro sobre o assunto. Ela também foi demitida de seu cargo no Departamento de Assuntos Indígenas (após mais de vinte anos de serviço) por ter se levantado ao lado de seu povo no verão de 1990. Ela continuou a luta, aos quase 80 anos. anos, através do jornal que ela criou na época para informar os ativistas no dia a dia, o Mohawk Nation News .

No final, a luta valeu a pena: a expansão do golfe e os projetos de construção imobiliária no terreno de pinhal não se concretizaram. A maioria dos presos viu todas as acusações contra eles cair. A luta trouxe as reivindicações indígenas à tona. Mas a luta por uma verdadeira justiça não acabou. Enquanto Quebec e Canadá existirem em sua forma atual, o colonialismo continuará seu trabalho destrutivo. Enquanto os brancos neste território continuarem a tomar por seusos territórios que ocupam, continuarão a ser agentes do problema colonial. Enquanto houver ataques contra os territórios e povos indígenas, será necessária uma política ofensiva e anticolonial. As lutas indígenas não vão parar até que o colonialismo desapareça.

oka – livros
As informações neste artigo e a abordagem ideológica vêm, em particular, do artigo Oka Crisis. 1990 (publicado pela Warrior Publications) em 2011. A autobiografia do Guerreiro Ronald Cross, Lasagna: The Man Behind the Mask (1994) e o livro de Kahn-Tineta Horn sobre o grande julgamento após a Crise de «Oka, Mohawk Warriors Three (1994). O testemunho mais completo sobre os eventos vividos pelos Mohawks continua sendo People of the Pines (Geoffrey York e Loreen Pindera, 1991).

Assistiremos com grande interesse ao filme documentário de Alanis Obomsawin Kanehsatake. 270 anos de resistência (1993, 119 minutos) na crise de Oka. O filme expõe ao mesmo tempo a história do desmembramento dos territórios mohawk pelos colonizadores, a resistência nativa, a Crise Oka e suas consequências imediatas.

Tradução: João Gabriel da Silva Rebouças

About the author

intellectual punk