Antifascismo

NOTAS DA ORGAP SOBRE O SKINHEAD

Written by anarcopunkORG

Este pequeno artigo foi escrito e difundido pelo coletivo Organização Anarcopunk (ORGAP) no início dos anos 2000 no meio libertário, levantando uma questão que então estava surgindo com mais força: skinheads que se auto-denominam anarquistas, comunistas ou libertários. Republicamos aqui novamente, a caráter de debate e reflexão.

* * *

Saudações libertárias,

Estas notas são um meio de difundir a todo o movimento libertário nossa visão sobre a questão do skinhead, principalmente sobre a RASH enquanto grupo que reivindica o anarquismo.
Sempre deixamos bem claro nosso posicionamento radical de contraposição à cultura skinhead e, como parte desta, à RASH. Já participamos – e o seguiremos fazendo – de discussões sobre este tema em diferentes locais e com variados indivíduos/grupos, no entanto, pensamos que é necessário criar referências documentais sobre a questão para ampliá-la geograficamente e torná-la atemporal.
Ademais, o ato de registrar idéias imprime a seriedade que acreditamos ser
imprescindível ao tema, uma vez que nossa crítica não é uma mera falta de
afinidade pessoal, musical ou o que for, como pensam alguns, muito menos “coisa de anarcopunk”, como muitos o têm dito; senão um dilema ético latente dentro do movimento anarquista.
Tentaremos expor por tópicos o porque da não aceitação do skinhead enquanto núcleo libertário. Não nos importa aqui a parte comunista autoritária da RASH – que, diga-se de passagem, é muito maior que a anarquista -, pois a esses indivíduos realmente não temos críticas quanto à sua coerência político-cultural. O skinhead, assim como ora foi cooptado por movimentos de extrema direita, é perfeitamente plausível dentro de qualquer perspectiva autoritária, como o é o comunismo (autoritário).
Nossa tese se baseia no fato de que A CULTURA SKINHEAD NÃO É COMPATÍVEL COM O ANARQUISMO.
Vamos, pois, aos tópicos:

1 – Xenofobia
Desde os seus primórdios, os skinheads são xenófobos. Já na Inglaterra, na
década de 60, skins brancos e negros saíam às ruas juntos em busca de imigrantes paquistaneses a quem espancar. Essa é uma raiz profunda do movimento, denominada “paquicrash”, e surgiu muito antes de qualquer vinculação propriamente ideológica do skinhead.
Há muitos skins que se dizem antiracistas, mas a essência do problema da
exclusão vai mais além. Hoje a própria democracia burguesa igualmente se diz antiracista, afinal, o que lhe importa é que se seja rico, e não necessariamente branco. Tenhamos, pois, isso em questão quando falamos de racismo e antiracismo: dizer-se antiracista, afinal, não é algo tão revolucionário assim, e esse não é exatamente nosso questionamento. Questionamos as raízes do skinhead, as quais, é fato, são xenófobas.

2 – Violência desmedida e inconseqüente

O skinhead é pura e simplesmente baseado na violência. Esse constitui seu
entretenimento básico: procurar brigas e confusões para meter-se, seja lá pelo
que for. O skinhead surgiu disso, é inegável, e disso sobreviveu até os dias
atuais, e essa é sua raiz.
Nós, enquanto anarquistas, acreditamos no respeito e no diálogo para a resolução dos conflitos entre as pesssoas, e apoiar um grupo de jovens inconseqüentes que a qualquer momento podem realizar agressões e coagir qualquer outro indivíduo no espaço público nos parece insano. Para nós, a violência só deve ser usada para a auto-defesa e para motivos muito concretos, como a Revolução Social. Utilizá-la como fim em si mesmo é algo não só autoritário, como ridículo.

3 – Estética
Todos os elementos da estética skinhead são uma alusão à violência
inconseqüente. Os coturnos são usados para pisar em adversários nas brigas de rua, os suspensórios servem para prender as calças largas, que são retiradas rapidamente em brigas de rua caso se caia no chão e tenha-se que fugir. O corte de cabelo também é uma tática de conflitos de rua.
O visual militar do skinhead nunca foi uma crítica ao militarismo – como o
fizemos e seguimos fazendo os anarcopunks -, muito pelo contrário: constitui um orgulho do grupo.
O culto à forma física também é inerente ao skinhead. A estética skin é
fundamentada na imagem do “brutamontes”, seja esse skin White Power ou RASH.
Desde o surgimento do skinhead tem sido assim: a vinculação desse padrão é outra raiz profunda do movimento. Enquanto anarquistas, questionamos essa padronização abominável difundida pelos skins, e lutamos pela diversidade física e pela não-padronização do corpo e da estética.

4 – Exaltação do proletariado enquanto classe permanente
A perspectiva skinhead do trabalho é a de aceitação e alienação. O “orgulho” de ser proletário é visto como um fim em si mesmo, e não contém uma proposta de abolição das classes, se não a de mantê-las.
O anarquismo é uma ideologia que surgiu nas classes desfavorecidas e por elas sempre viverá, até que deixem de existir. Essa é a diferença básica entre o anarquismo e o skinhead: enquanto um propõe a abolição das classes, o outro exalta uma classe específica (o proletariado) sem perspectiva de destruí-la.
Todo o skinhead é fundamentado na questão do proletariado, e essa “obsessão” inclui também todos os vícios e questões culturais nocivas que possui o proletariado, sem questionamento por parte dos skins, e sim de reprodução: a alienação, o machismo, a homofobia, a violência (por exemplo, os hooligans)…

Essas são críticas gerais ao skinhead. Gostaríamos, além disso, de direcionar a crítica à RASH anarquista, sobre a qual temos ainda outros tópicos:

5 – Conciliação do anarquismo com o comunismo autoritário
Não é possível conciliar um projeto de sociedade antiautoritária com um projeto de sociedade autoritária. Isso constitui um paradoxo inexorável. Por isso, entendemos a RASH como um equívoco político muito grosseiro.
A História nos mostra que, em momentos críticos, o anarquismo foi sempre marcado por traições de vários grupos da dita esquerda autoritária, haja visto o caso espanhol (Guerra Civil Espanhola, 1936) e o russo (Revolução Russa, 1917), só a título de exemplificação simplista. Acreditamos que é possível trabalhar até certo ponto com esses grupos, mas ter autonomia completa e infra-estrutura própria são indispensáveis, pois a qualquer momento, numa situação revolucionária latente, é óbvio que tenhamos que desvincular-nos deles, por termos um projeto antagônico de sociedade.
Enfim: trabalhar algumas afinidades é aceitável. Constituir um núcleo
“homogêneo” é confuso, é impossível – por questões primárias.

6 – Um fundamento básico e a Prática
Constitui também uma raiz do skinhead o fato de ele ser uma irmandade, fundada e movida pelo simples orgulho de pertencer a ela. Já no começo do movimento, esse foi o seu fator de criação e crescimento, e continua sendo desde então. Por isso, apesar das diferenças políticas e demais diferenças, os skinheads são um grupo unido.
É extremamente complicado coordenar um movimento político sério como o é o anarquismo sabendo que há indivíduos que, por questões culturais, tem contatos perigosos do ponto de vista político. Isso é algo que sempre aconteceu, tanto no caso específico do Brasil como do resto do mundo. Sabemos que indivíduos da RASH têm contatos pessoais com outros skinheads de viés direitista, e não o vêem como algo nocivo, pois separam a política do pessoal.
Ora, o pessoal é o político! Viver o anarquismo em todos os campos da vida é ser revolucionário. Do contrário, é não só contraditório como prejudicial.

Esperamos que, com esse texto básico, possamos criar um espaço de reflexão e discussão dentro de todo o movimento libertário. Estamos abertos a respostas, sugestões, críticas e comentários; e temos um vasto arquivo sobre o assunto, que colocamos à disposição para consulta.

Saúde a anarquia!

Organização Anarco Punk.

PS: Que este texto sirva como material para formular reflexões, e não como uma “verdade” que tenhamos a intenção de impor a ninguém.

About the author

anarcopunkORG