Entrevistas & Idéias

Nem obedecer, nem mandar. Anarquia como organização

Em 1961, Colin Ward se perguntou: “A anarquia é uma idéia respeitável?”.
Para responder, é necessário ser capaz de demonstrar que o anarquismo é capaz de oferecer soluções reais para os problemas complexos das sociedades contemporâneas. No patrimônio histórico, grande parte das ideias gerais pode, acima de tudo, representar as diretrizes para experimentar formas libertárias de convivência social aqui e agora. Quais são os principais desafios que enfrentamos e como podemos renovar o anarquismo?

𝐅𝐫𝐚𝐧𝐜𝐞𝐬𝐜𝐨 𝐂𝐨𝐝𝐞𝐥𝐥𝐨 (Valdobbiadene, 1953), filósofo e pedagogo, foi professor e diretor de escola, é membro da Rede Internacional de Educação Democrática, da Comunidade Europeia de Educação Democrática, fundador da “Rede Libertária de Educação”, ex-editor das revistas « Will ” e ” Libertaria “e agora das edições “Elèuthera”, colaborador da A-Rivista anarchista, há muitos anos ativista no “Ateneu do imperfeito” de Marghera e no “Centro libertari Giuseppe Giuseppe Pinelli” em Milão. Ele é autor de numerosos ensaios, principalmente sobre questões educacionais, históricas e anarquistas, em vários jornais e publicações e nos seguintes livros: Educazione e anarchismo (1995), La Buona educazione (2005), Vaso creta o fiore? (2005), Gli anarchismi (2009), Liberi di imparare, (con Irene Stella, 2011), La campanella non suona più (2015); Né obbedire né comandare, lessico libertario (2009); La condizione umana nel pensiero libertario (2017). Ha curato la raccolta di saggi di Colin Ward dal titolo «L’educazione incidentale» (2018) e quella di Lev Tolstoj dal titolo «Il rifiuto di obbedire» (2019).
No Brasil A editora Ícone juntamente com a Editora Imaginário lançaram seu livro, A Boa Educação: A Teoria – Experiências Libertárias e Teorias Anarquistas na Europa, de Godwin a Neill (2007).

About the author

intellectual punk